Busque uma postagem

sábado, 23 de abril de 2016

São José de Ribamar: religiosidade, cultura e tradição

Grande Procissão 2015
O Brasil guarda em seu seio a herança de diferentes povos, que, partilhando suas histórias construíram uma nova: a do país, a de todos nós. Essas contribuições não são apenas para as esferas econômica, social ou política, mas religiosa e cultural sobretudo.
Falamos em culturas. Franz Boas afirmou em seus estudos que não há uma Cultura, mas culturas que precipitaram de acordo com os eventos históricos vividos e partilhados por cada povo.  A religiosidade popular caminha ao lado da cultura, mesmo, por ser ela parte constitutiva da primeira e ao mesmo tempo por nutrida e modificada por aquela.
No Brasil a religiosidade popular é muito forte, e vivida de forma assídua por homens e mulheres piedosos que cumprem suas promessas e pagam seus votos como reza a cultura religiosa popular desde muito antes, ou como diz o jargão popular, “desde sempre”!
É no Concílio de Niceia que os bispos percebem a força avassaladora da religiosidade popular, e compreendem que as devoções estão no seio do povo, e que dele nascem as práticas religiosas que não eram ensinadas nos templos, mas eram praticadas pelos piedosos. É neste ponto que percebem os laços estreitos entre devoção e povo: os homens e mulheres adotaram os santos como seus anjos de perto de Deus para rogar em suas misérias e enfermidades. As causas e os defensores surgem pelo rogo do povo. O milagre e o milagreiro também.
Desses atos piedosos nasceram grandes devoções, entre a elas a de São José de Ribamar, na cidade que ganhou o nome do santo milagreiro, na região metropolitana da capital maranhense.  A história da cidade e de construção da capela em honra ao santo trazido pelo navegante português a terra dos índios gamelas, se confunde.
A devoção popular se estrutura nos símbolos, costumes e gestos que criam por força própria uma cadeia de relacionamentos entre os pertencentes àquele ciclo de devoção, ao passo que se firma como um forte sistema de comunicação mesmo para o que estão fora do ciclo. Os votos prometidos, ou ex-votos deixados nos altares, comunicam a relação dialógica entre diferentes sujeitos: devoto, assembleia, santo e Deus-Trino. A devoção popular, deste modo, se constitui um sistema livre de comunicação que se constrói e modica ao longo do tempo em conformidade com a cultura religiosa popular dos praticantes.   
Em São José de Ribamar, o hábito de vir ao Santuário para abençoar o veículo, trazer seu voto, comprar sua fita, acender sua vela, ofertar flores, maquetes, roupas, artigos de brincadeiras culturais ou ainda deixar no cofre sua partilha, configurou o Santuário como um importante lugar de devoção e visitação para observação e vivencia desta religiosidade que aflora muito mais em setembro, mês do grande festejo, instaurado neste período pela cultura local.
A religiosidade de um povo simples e muito piedoso é a principal responsável pela construção da arquitetura religiosa e social do povo ribamarense e que, anos mais tarde, influenciou bastante a do Estado. Pensar a devoção a São José de Ribamar é pensar também a história de uma cidade, a cultura de um lugar e a riqueza religiosa de um povo que crer e vive sua devoção.