domingo, 23 de novembro de 2014

Entrega de prêmios da rifa do festejo 2014.

Hoje, 23, domingo, solenidade de Cristo Rei, o Santuário São José de Ribamar  faz a entrega dos prêmios aos sorteados na rifa do festejo 2014. Os párocos solidário, ao fim da Missa, entregaram tablet, TV e a chave do carros aos ganhadores.


sábado, 22 de novembro de 2014

Festejo de Nossa Senhora das Graças, Campina.

"Família, Igreja doméstica, comunidade de Maria."


   A comunidade da Campina está em festa. Celebra de 18 a 27 de novembro o festejo de sua padroeira, Nossa Senhora das Graças. O pe. Irailson Dias presidiu a Santa Missa de abertura ladeado por devotos que foram a casa de Maria agradecer por graças alcançadas. Na quinta-feira, 20, terceira noite da novena, a pastoral da comunicação esteve presente na celebração eucarística como convidada. O pe.  Gutemberg Feitosa foi o presidente da celebração. O canto litúrgico ficou por conta do grupo de casais que animou os fiéis ao som das canções celebrativas. Ao fim, Pe. Gutemberg convidou a comunidade a se consagrar a padroeira da comunidade e patrona universal da igreja, Nossa Senhora.




Implantação do Santíssimo.

Dia 19, quarta-feira, Pe. Cláudio Roberto esteve na comunidade da Campina. Durante a visita, presidiu a Santa Missa do segundo dia do festejo. Por ocasião a comunidade também celebrou a implantação do Santíssimo, sacrário, na capela.  Alegres, os fiéis devotos de Nossa Senhora jubilosos agradeciam a Deus por tão grande graça.


Nossa Senhoras das Graças, história.

Um dos mais valiosos presentes da Santíssima Virgem para a humanidade, foi dado no dia 27 de novembro de 1830, por meio de Santa Catarina Labouré, humilde freira da Congregação das Filhas da Caridade. Isto foi na Rua De Lubac, no centro de Paris, na Capela da Medalha Milagrosa.
Nesse dia, segundo relata a Vidente, Nossa Senhora apareceu-lhe mostrando nos dedos anéis incrustados de belíssimas pedras preciosas, “lançando raios para todos os lados, cada qual mais belo que o outro”. Em seguida, formou-se em torno da Virgem uma moldura ovalada no alto da qual estavam escritas em letras de ouro as seguintes palavras, a bela jaculatória:

“Ó Maria concebida sem pecado, rogai por nós que recorremos a Vós”.

 Esta foi uma prova do céu de que Nossa Senhora é Imaculada, concebida sem pecado original; vinte e quatro anos depois o Papa Pio IX proclamava solenemente o dogma da Imaculada Conceição de Maria no dia 8 de dezembro de 1854; e quatro anos após Nossa Senhora aparece em Lourdes e diz a Santa Bernadete: “Eu Sou a Imaculada Conceição”. Quantas provas de sua Imaculada Conceição! 







quarta-feira, 19 de novembro de 2014

Vigésima quinta assembleia arquidiocesana de pastoral.

" A igreja é para a humanidade."




Aconteceu de 14 a 16 de novembro, no Oásis, a XXV assembleia arquidiocesana de pastoral. A assembleia seguiu a metodologia do Ver, Julgar e Agir para estudos e discussões. No primeiro dia, 14, sábado, a prof. Dra. Arleth Borges trouxe para discussão a conjuntura política e social do país e estado. A professora se diz satisfeita com o evento, pois, segundo ela, "é uma oportunidade de contribuir e estimular a mobilização social".  O padre Thierry Linard, assessor especial da CNBB, conduziu os trabalhos nos dias 15 e 16 e, em seus discursos, enfatizou a necessidade da igreja se fazer unida em razão da evangelização e da ação social. “Igreja e sociedade" foi o tema deste ano e a constituição Gaudium Et Spes o documento base para os estudos. O coordenador arquidiocesano de pastoral de São Luís, padre Crizantonio da Conceição Silva, diz que “a assembleia nos proporciona estudar, refletir e propor atividades pastorais e missionárias para a Igreja. Faz criar um espírito de pertença e corresponsabilidade entre todos os segmentos – clero e leigos.” O padre Irailson Dias, pároco solidário, e Raimundo Ramos, coordenador de pastoral, foram os representantes do Santuário e paróquia São José de Ribamar. 

Gaudium Et Spes, prefácio.

Prefácio

1. As alegrias e as esperanças, as tristezas e as angústias dos homens de hoje, sobretudo aqueles que são pobres ou de qualquer forma sofrem, são as alegrias e as esperanças, as tristezas e as angústias dos discípulos de Cristo. De fato, nada verdadeiramente humano que não encontre eco no seu coração. Porque deles é uma comunidade de homens. Unidos em Cristo, eles são guiados pelo Espírito Santo em sua jornada para o Reino de seu Pai, e eles receberam bem a notícia da salvação que é destinado a todos os homens. É por isso que esta comunidade percebe que ele está realmente ligada com a humanidade e sua história pelo mais profundo de títulos.

2. Assim, este Concílio Vaticano II, tendo investigado mais profundamente no mistério da Igreja, agora trata-se sem hesitação, não só para os filhos da Igreja e de todos os que invocam o nome de Cristo, mas para toda a humanidade. Para o conselho anseia por explicar a todos como ele concebe a presença ea ação da Igreja no mundo de hoje.

Por isso, o conselho se concentra a sua atenção no mundo dos homens, toda a família humana, juntamente com a soma de todas aquelas realidades no meio das quais vive; esse mundo que é teatro da história do homem, eo herdeiro de suas energias, suas tragédias e seus triunfos; o mundo que o cristão vê como criado e sustentado pelo amor de seu Criador, caído de fato para a escravidão do pecado, ainda emancipado agora por Cristo, que foi crucificado e ressuscitou para quebrar o estrangulamento apossar de mal personificado, de modo que o mundo poderia ser formado de novo acordo com o projeto de Deus e alcançar o seu cumprimento.

3. Embora a humanidade está doente com espanto para as suas próprias descobertas e seu poder, que muitas vezes levanta questões muito preocupados com a tendência atual do mundo, sobre o lugar eo papel do homem no universo, sobre o significado de seus esforços individuais e coletivos, e sobre o destino último da realidade e da humanidade. Assim, dando testemunho e voz para a fé de todo o povo de Deus reunido por Cristo, este conselho pode fornecer nenhuma prova mais eloquente da sua solidariedade, bem como o seu respeito e amor por toda a família humana com a qual está vinculado se, que por se envolver com ela em uma conversa sobre esses vários problemas. O conselho traz à luz a humanidade acendeu a partir do Evangelho, e coloca à sua disposição essas economizando recursos que a própria Igreja, sob a orientação do Espírito Santo, recebe do seu Fundador. Para a pessoa humana merece ser preservada; sociedade humana merece ser renovada. Por isso, o ponto focal da nossa apresentação total será o próprio homem, todo inteiro, corpo e alma, coração e consciência, mente e vontade.

Por isso, este sagrado Concílio, proclamando a vocação altíssima do homem e defender a semente divina que foi semeado nele, oferece à humanidade a assistência honesto da Igreja na promoção que a fraternidade de todos os homens, o que corresponde a essa vocação. Inspirado por nenhuma ambição terrena, a Igreja procura, mas um golo solitário: para levar adiante a obra de Cristo sob a liderança do Espírito Befriending. E Cristo veio ao mundo para dar testemunho da verdade, para salvar e não para julgar, para servir e não para ser servido. (2)






terça-feira, 18 de novembro de 2014

MISSA DA SAÚDE 18-11-2014, HOMILIA PE. GUTEMBERG FEITOSA.

Ouça a homilia feita pelo padre Gutemberg Feitosa, vice-reitor do Santuário Arquidiocesano São José de Ribamar na Missa da Saúde.


18/11/2014 - 3ª-feira da 33ª Semana Tempo Comum
Cor: Verde

Evangelho - Lc 19,1-10

O Filho do Homem veio procurar e salvar o que estava perdido.
+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Lucas 19,1-10


Naquele tempo:
1 Jesus tinha entrado em Jericó
e estava atravessando a cidade.
2 Havia ali um homem chamado Zaqueu,
que era chefe dos cobradores de impostos e muito rico.
3 Zaqueu procurava ver quem era Jesus,
mas não conseguia, por causa da multidão,
pois era muito baixo.
4 Então ele correu à frente
e subiu numa figueira para ver Jesus,
que devia passar por ali.
5 Quando Jesus chegou ao lugar,
olhou para cima e disse:
'Zaqueu, desce depressa! Hoje eu devo ficar na tua casa.'
6 Ele desceu depressa, e recebeu Jesus com alegria.
7 Ao ver isso, todos começaram a murmurar, dizendo:
'Ele foi hospedar-se na casa de um pecador!'
8 Zaqueu ficou de pé, e disse ao Senhor:
'Senhor, eu dou a metade dos meus bens aos pobres,
e se defraudei alguém, vou devolver quatro vezes mais.'
9 Jesus lhe disse:
'Hoje a salvação entrou nesta casa,
porque também este homem é um filho de Abraão.
10 Com efeito, o Filho do Homem
veio procurar e salvar o que estava perdido.'

Palavra da Salvação.

quinta-feira, 13 de novembro de 2014

HOMILIA DIÁRIA – 13/11/2014 – MISSA DAS 17H

Ouça a homilia feita pelo Padre Cláudio Roberto, Reitor do Santuário Arquidiocesano de São José de Ribamar na Missa das 17h de hoje.



5ª-feira da 32ª Semana
Tempo Comum
Cor: Verde
Evangelho - Lc 17,20-25

“O Reino de Deus está entre vós.”
+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Lucas 17,20-25

Naquele tempo:
20 Os fariseus perguntaram a Jesus
sobre o momento em que chegaria o Reino de Deus.
Jesus respondeu:
'O Reino de Deus não vem ostensivamente.
21 Nem se poderá dizer:
'Está aqui'ou 'Está ali',
porque o Reino de Deus está entre vós.'
22 E Jesus disse aos discípulos:
'Dias virão em que desejareis ver
um só dia do Filho do Homem e não podereis ver.
23 As pessoas vos dirão:
'Ele está ali'ou 'Ele está aqui'.
Não deveis ir, nem correr atrás.
24 Pois, como o relâmpago brilha de um lado até ao outro do céu,
assim também será o Filho do Homem, no seu dia.
25 Antes, porém, ele deverá sofrer muito
e ser rejeitado por esta geração.

Palavra da Salvação.

terça-feira, 11 de novembro de 2014

TERÇA-FEIRA 11/11/2014 - MISSA DA SAÚDE - EVANGELHO LC 17,7-10.

Ouça a homilia feita pelo padre Gutemberg Feitosa, vice-reitor do Santuário Arquidiocesano São José de Ribamar na Missa da Saúde as 15h de hoje.


Evangelho - Lc 17,7-10


Somos servos inúteis; fizemos o que devíamos fazer.
+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Lucas 17,7-10

Naquele tempo, disse Jesus:
7 Se algum de vós tem um empregado
que trabalha a terra ou cuida dos animais,
por acaso vai dizer-lhe, quando ele volta do campo:
'Vem depressa para a mesa?'
8 Pelo contrário, não vai dizer ao empregado:
'Prepara-me o jantar, cinge-te e serve-me,
enquanto eu como e bebo;
depois disso tu poderás comer e beber?'
9 Será que vai agradecer ao empregado,
porque fez o que lhe havia mandado?
10 Assim também vós:
quando tiverdes feito tudo o que vos mandaram,
dizei: 'Somos servos inúteis;
fizemos o que devíamos fazer'.'

Palavra da Salvação.




domingo, 9 de novembro de 2014

"O padroeiro querido do Maranhão"

             
    É costume na paróquia e Santuário São José de Ribamar, a peregrinação de fiéis que pagam promessas ao Santo Carpinteiro. Habitualmente a cidade balneária recebe visitantes que em primeira ou segunda razão buscam a Casa de São José como ponto de visita.
    Aos domingos, romeiros deixam seus votos aos pés do Santo. Acendem velas. Entram de joelhos na igreja. Algumas formas de pagar a promessa a São José se repetem. Outras, não! Fogem o padrão.  O pagante de promessa cria um vínculo tão forte com o Santo, que tem a promessa como uma dívida, aliás, promessa é dívida já diz o ditado popular. Por reger a fé com tal atenuante, o devoto, no pagamento de sua promessa, vive uma efêmera performance. É ela que diferencia um devoto do outro.
    A fé não pode ser vista ou medida, contudo, pode ser sentida. Como o calor de uma chama. Chama de vela que queima. Vela do devoto.
  As imagens ofertadas ao Santo recuperam aquele sofrimento de outrora. Sofrimento que, com fé e devoção, fora vencido e agora é o voto cumprido. Desta forma, o homem se comunica com Deus e Deus é visto pela fé, e suas obras são verificadas quando se pode enxergar o milagre operado pelo santo devotado.
   Devotar um santo, é dar Graças a Deus por sua infinita misericórdia, em conceder intercessores para velarem por homens e mulheres que pedem os milagres do céu. Quem agradece ao Santo, louva a Deus.
    Em suma, quem devota São José rende Graças ao Pai.
    As procissões, orações, velas, imagens, fitas... São expressões simbólicas. É o simbólico tentando dar conta da fé, da devoção; falar por ela. 
       O devoto de São José enxerga no Santo a face de Deus. Sabe que o Carpinteiro realiza o inexplicável em nome d'Ele. Não raro, ouvi-se cantar em uníssono, ecoando do Santuário: "nós pedimos a São José a sua benção, sua benção e proteção..." Se pedem sua benção, o declaram não só como o Santo de milagres, mas o padroeiro do Maranhão: "É quem opera milagres, quem arrasta multidões, o padroeiro querido do Maranhão."