Busque uma postagem

Arquivos

sábado, 21 de março de 2015

Santuário agradece pelo novenário em honra ao protetor do Maranhão

Durante nove dias, o povo maranhense celebrou a espera da grande solenidade do padroeiro do Maranhão.Desde o primeiro dia, fiéis pagaram promessas e renovaram seus votos com o santo carpinteiro. Veículos de Comunicação visitaram durante os dez dias de festividade o Santuário e noticiaram a grande festa em Ribamar.
O Santuário centenário acolheu padres, diáconos e bispos para as santas missas. Dom Belisário,durante sua homilia no sexto dia do novenário, lembrou ao povo presente que o festejo do santo querido é momento propício de preparação para a quaresma, tempo forte vivido pela igreja. Ressaltou a importância de celebrar São José neste tempo em razão de suas virtudes. Dom Xavier, bispo emérito de Viana, que também esteve presente, frisou a devoção ao castíssimo esposo de Maria. Os párocos
solidário, pe. Cláudio Roberto (reitor), pe. Gutemberg Feitosa (vice reitor) e pe. Irailson Dias todos os dias concelebraram com os celebrantes e concelebrantes convidados. Em verdade, desenvolveram um grande trabalho de acolhida: realizaram confissões com os romeiros, bençãos aos devotos, batizados,casamentos etc. Foram muitos os gestos que, carinhosamente, os párocos solidário tiveram para com os romeiros de São José.
No dia 19 de março, dia dedicado ao padroeiro universal da Igreja, Desde o amanhecer o Santuário se tornou uma Casa de Luz: eram muitas as velas acesas ao santo querido dos maranhenses. Eram muitas as promessas e devoções que vinha ofertar o povo. A procissão, embora tão cheia, tornou-se aconchegante e reunia minuto a minuto romeiros de todas as partes do
estado. São José arrastou uma multidão de devotos. A procissão seguiu por ruas ribamarenses e por onde passava o andor, famílias o saudava de diferentes formas, aliás, eram inúmeras as famílias que acompanhavam São José. Entre orações, cânticos e aplausos seguiram os romeiros conduzidos a Concha Acústica, local da solene celebração de encerramento.    

A santa missa de encerramento que também se celebrou em ação de graças pelos cem anos da construção da igreja matriz, foi um convite aos maranhenses para o tríduo em maio e o grande festejo em setembro, que hão de vir para continuar as comemorações pelo cem anos e, claro, festejar o padroeiro querido do Maranhão, São José de  Ribamar.